logo cmf azul.png
  • Nicolas Rodrigues

Fundos Quantitativos

21.06.2021 | Nicolas Rodrigues


O desenvolvimento tecnológico trouxe consigo uma nova forma de investir, um modelo de investimento totalmente diferente das escolas antigas e que é pouco conhecido no Brasil, mas que vem apresentando bons resultados desde o seu surgimento.


Esses novos fundos são os ainda pouco conhecidos Fundos Quantitativos.

O que são Fundos Quantitativos?


Basicamente, são fundos onde as negociações são feitas por robôs, guiados por algoritmos extremamente complexos que operam de forma autônoma, baseados apenas nas variáveis do mercado financeiro e buscando se beneficiar das suas ineficiências e pequenas assimetria de preços.


Através da inteligência artificial, os robôs fazem uma varredura completa no mercado e, quando encontram possíveis assimetrias, rapidamente operam em buscas de lucros. Logo, usam padrões observados no passado para fazer uma previsão do futuro.


Tipos de fundos quantitativos:




Quais as diferenças em relação aos fundos tradicionais?


Após entender o que são os fundos quant, fica mais fácil visualizar as diferenças em relação aos modelos tradicionais. Esse tipo de fundo não utiliza o fator humano na tomada de decisões.


Ele pode ter os mesmos objetivos que fundos tradicionais. Porém, as decisões sobre a compra e venda dos ativos dependem dos resultados referentes às avaliações de dados. Além disso, todas as negociações acontecem com maior velocidade.


Papel humano


Apesar de trabalhar de forma autônoma, os robôs são programados por humanos. Logo, seu desempenho está diretamente ligado com a capacidade humana de criar um algoritmo que consiga aproveitar das ineficiências dos mercados, além de reconhecer padrões históricos e ser capaz de realizar projeções futuras. Dessa forma, não é todo fundo quantitativo capaz de entregar um desempenho acima da média para seus investidores.


O mega-desempenho do Medallion Fund


Jim Simons inovou o mercado de fundos de investimentos norte-americano com a criação do Medallion, fundo hedge especializado em fundos quantitativos, baseado em arbitragem estatísticas.


Simons se formou em matemática pelo Instituto de Matemática de Massachussets em 1958, recebendo seu doutorado logo depois. Foi professor de matemática na Stony Book University e funcionário da Agência Nacional de Segurança Americana (NSA), trabalhando com criptografia, decodificando código secretos.


Após seu trabalho na NSA, decidiu utilizar seus conhecimentos avançados em estatística e matemática para ganhar dinheiro em Wall Street, criando a Renaissance Technologies Corporation.


Para desenvolver seu complexo algoritmo, Simons contratou os melhores astrofísicos, matemáticos e estatísticos dos Estados Unidos. Em uma entrevista, ele conta que “o sistema baseado na análise somente da trajetória de um ativo é antiquado e velho, principalmente porque, dessa forma, as pessoas só conseguem ganhar dinheiro em um período específico”.


O Medallion é apenas um dos fundos da Renaissance, sendo esse fechado, tendo como cotistas ex-funcionários, além de pessoas próxima à empresa e donos de grandes empresas.

Seu algoritmo altamente rentável continua sendo uma incógnita para o mundo financeiro. Muitos já tentaram copiar seus métodos, mas ninguém alcançou um resultado como Simons e sua turma de Phd’s em matemática.


O Medallion tem 66% de retorno bruto (antes das taxas) anual e ganhos superiores a US$ 100 bilhões.



Por outro lado...


Entretanto, não é qualquer fundo quantitativo capaz de alcançar um desempenho desse nível. Em comparação ao Medallion, os principais fundos quantitativos brasileiros não conseguiram bater o IBOVESPA nos últimos anos.


Dessa maneira, podemos observar que nem sempre os fundos quantitativos são sinônimos de altas rentabilidade, pois, apesar da tecnologia, são extremamente dependentes dos gestores que programam os algoritmos.



Vantagens e desvantagens de investir em um fundo quantitativo:


Prós


Uma análise sem emoção


Por serem operados por robôs, os fundos quantitativos oferecem uma proteção contra a emoção humana e a emoção do mercado. Baseados apenas na razão quantitativa, suas decisões são embasadas apenas em dados e números.


Capacidade de uma grande quantidade de dados


Os robôs analisam uma quantidade de informação extremamente grande, algo que é impossível para os humanos. Com uma maior quantidade de dados analisados, os robôs podem chegar a conclusões mais rápida e certeira, agindo nos momentos certos.


Diversificação


Os fundos quantitativos são extremamente diversificados, entrando e saindo de diferentes setores e empresas. Podendo ter desempenho totalmente diferente da média do mercado.


Contras


Taxas


A maioria dos fundos tem altas taxas de administração, entre 1% e 5%, além da taxa de desempenho que pode chegar até a 40%, como é o caso do Medallion Fund.


Análise Macro e microeconômica


A análise quantitativa leva em consideração apenas os dados, não levando em conta o caráter econômico no momento. O cenário macroeconômico interfere diretamente no mercado, mas não são consideradas nesses modelos. Logo, eventos pontuais podem trazer prejuízos para esses fundos.


Crescimento


O crescimento do fundo é um paradoxo já que o crescimento do fundo aumenta o número de transações, influenciando os preços e causando uma reversão no panorama esperado pelo robô.


Conclusão


Fundos Quantitativos são uma boa opção para aqueles que querem ter um fundo totalmente diversificado, com análises baseadas apenas nos números sem a interferência emocional dos gestores. Entretanto, na hora de investir nesse tipo de fundo deve-se levar em conta o fator humano por trás do algoritmo, pois no fim será ele quem vai decidir sua lucratividade.

#CMF #USP #mercado #mercadofinanceiro #fundosquantitativos